e-mail

esqueceu a senha

resultado de exames

relação de exames

O Laboratório São Lourenço desenvolveu uma relação completa de procedimentos para você obter informações sobre seu exame, de como ele é realizado e instruções corretas de jejum e coleta (modificar o texto)

GENE DPYD: TOXICIDADE DO 5-FLUOROURACIL [DPYD]

Exame [mnemônico]

GENE DPYD: TOXICIDADE DO 5-FLUOROURACIL [DPYD]

Material [mnemônico]

SANGUE [S]

Condições

- Sangue Total (EDTA).

Tempo de jejum

Questionário

Comentários

Palavras chaves Gene DPYD Mutação IVS14+1 G>A Mutação c.1905+1 G>A Mutação rs3918290 DPD*2A 5-Fluorouracil (5-FU) Deficiência da enzima DPD Comentários O 5-fluorouracil (5-FU) é um dos agentes quimioterapêuticos mais utilizados para o tratamento de carcinomas sólidos. A enzima DPD (Dihydropyrimidine Dehydrogenase) é a principal enzima envolvida no catabolismo de 5-FU, e portanto, um importante preditor da resposta ao 5-FU. A redução da atividade desta enzima resulta em um aumento substancial da meia-vida da droga, e, por conseguinte, um aumento do risco de toxicidade grave dose-dependente. Os sintomas de toxicidade do 5-FU incluem estomatite, leucopenia, anemia, trombocitopenia, perda de cabelo, diarréia, febre, perda de peso substancial, ataxia cerebelar e outros sintomas neurológicos que podem evoluir para semicoma. Indivíduos com uma atividade baixa da enzima DPD estão sujeitos a um risco aumentado de desenvolver toxicidade grave ou mesmo letal quando tratados com doses padrão de 5-FU. Segundo estudos, cerca de 5% dos indivíduos apresentam deficiência da atividade de DPD. No gene DPYD, destaca-se a mutação c.1905+1G>A, também chamada de IVS14+1G>A ou DPD*2A, uma mutação pontual que gera uma enzima não funcional. Estudos recentes sugerem que esta mutação é a causa de 29% das toxicidades severas (> nível 3) em pacientes recebendo 5-FU. Indivíduos heterozigotos para esta mutação devem receber doses menores deste medicamento, enquanto que, medicamentos alternativos devem ser considerados para indivíduos homozigotos mutantes. O conhecimento da mutação c.1905+1G>A em DPYD contribui para melhor segurança da quimioterapia baseada em 5-FU, bem como auxilia na identificação de pacientes com alto risco de efeitos adversos graves antes de se iniciar o tratamento com 5-FU.