RUBEOLA IgM, ANTICORPOS ANTI [RUB-M]

RUBEOLA IgM, ANTICORPOS ANTI (ELFA) [RUBE-M]
Maio 22, 2018
SACAROSE, TESTE DE TOLERANCIA [SACA]
Maio 22, 2018
Ver todo o Blog

Exame [mnemônico]

RUBEOLA IgM, ANTICORPOS ANTI [RUB-M]

Material [mnemônico]

SANGUE [S]

Condições

– Soro ou plasma (EDTA/Heparina).

Tempo de jejum

– Jejum obrigatório de 8 horas. – Intervalo entre mamadas para lactentes.

Questionário

Comentários

Palavras chaves Sarampo Alemao Comentários Doença viral de comportamento benigno, exceto em grávidas quando infecção aguda pode levar à Síndrome da Rubéola Congênita. Na infecção primária IgM torna-se positivo a partir de 1 a 3 dias após o início da doença, sendo detectável de 2 a 12 meses. Reações falso- positivas para IgM podem ocorrer em pacientes com mononucleose infecciosa, infecções por parvovírus e coxsakievírus B. A IgG torna-se positiva a partir de 3 a 4 dias após o início dos sintomas, permanecendo reagente indefinidamente. IgG de baixa avidez está presente por até 3 meses, sendo que a partir de então pode ser detectado IgG de alta avidez. Histórico de sorologia positiva anterior à infecção, seguido de IgG positivo com elevação de 4 vezes ou mais no título da segunda amostra, sugere reinfecção. Neste caso, IgM pode estar presente, assim como gG de alta avidez. Nos casos de Rubéola congênita, cerca de 20% dos infectados têm IgM negativo no primeiro mês de vida. IgG materna pode estar presente por mais de 6 meses. Já a IgG avidez não tem utilidade pois pode se permanecer com baixa avidez por até 3 anos na Rubéola congênita. Pacientes vacinados apresentam IgG positivo e IgM negativo após 3 meses. IgG de alta avidez presente. O índice de soroconversão após a vacina é de 95%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

(33) 9 8877-7788